PITTER LUCENA

Jornalista acreano radicado em Brasília

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil
PageRank

terça-feira, janeiro 15, 2008

SAÚDE DE 1º MUNDO DO ACRE, NA UTI

Estudo realizado por pesquisadores da UFAC e da FUNDHACRE mostra uma taxa de mortalidade de 38%, valor muito superior ao de outras unidades similares do país. O mais grave: a taxa tem aumentado desde a criação da unidade.

Pesquisadores da UFAC e da FUNDHACRE que realizaram um estudo sobre as características clínico-epidemiológicas de adultos e idosos atendidos na unidade de terapia intensiva da FUNDHACRE verificaram que a taxa de mortalidade dos pacientes internados naquela unidade é de 38%. Este número é significativamente mais elevado do que o observado em outros estudos realizados no país. Na UTI de Anestesiologia da Escola Paulista de Medicina, por exemplo, a taxa de mortalidade observada foi de 28,5%. Em dois hospitais universitários as taxas de mortalidade foram, respectivamente, de 29,4 e 32,7%.

A pesquisa, intitulada "Características clínico-epidemiológicas de adultos e idosos atendidos em unidade de terapia intensiva pública da Amazônia (Rio Branco, Acre)" foi publicada na Revista Brasileira de Terapia Intensiva (V.19 n.3 São Paulo jul./set. 2007) pelos pesquisadores Kátia Acuña (UFAC), Éliton Costa (Fundhacre), Alberto Grover (Fundhacre), André Camelo (Fundhacre/UFAC) e Rinauro Santos Júnior (Fundhacre).

Durante o estudo na FUNDHACRE foram avaliados 79 pacientes. Destes, a maioria (54,2%) era proveniente da própria FUNDHACRE e o restante (45,8%), foi encaminhado a partir do HUERB (Pronto socorro), como pós-operatório de intervenção cirúrgica de emergência.

O óbito foi observado em 38% dos pacientes admitidos durante o período do estudo, com associação significativa entre mortalidade e tratamento dialítico, internação clínica, ventilação mecânica, uso de fármacos vasoativos, número de internações cirúrgicas, hipoalbuminemia e linfocitopenia.

Um dado significativo da pesquisa é que a maioria dos óbitos (47,9%) ocorreu entre pacientes internados por razões clínicas, enquanto que a mortalidade entre os pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos (inclusive os de emergência), foi de apenas 25,7%.

Este dado parece indicar que o atendimento primário de emergência prestado pelas unidades móveis do SAMU tem contribuído para uma diminuição significativa das mortes de acidentados em estado grave que são submetidos a procedimentos cirúrgicos de emergência depois de admitidos na rede hospitalar.

Atendimento pouco especializado e alta taxa de mortalidade dos internados
A pesquisa demonstrou que o atendimento efetuado na UTI da FUNDHACRE se caracteriza por ser pouco especializado. O dado mais preocupante, entretanto, é o gradual aumento na taxa de mortalidade entre os pacientes internados na UTI da FUNDHACRE desde a sua implantação, em 1998. Naquele ano, a taxa foi de 32%. Em 2003 ela subiu para 36,9%. No estudo atual, ela chegou a 38%.

Embora os autores da pesquisa afirmem que a taxa de mortalidade daquela unidade seja a esperada para a gravidade dos pacientes, esta conclusão não tem suporte dos resultados apresentados na pesquisa, que indicam uma taxa de mortalidade acima da média verificada em outros estudos no país.

Os autores ressaltam os benefícios da implantação do serviço no Acre, pois o mesmo "representa a possibilidade de sobrevivência frente à doença grave, trazendo recursos antes indisponíveis na prática médica local como ventilação mecânica, suporte hemodinâmico e terapia nutricional parenteral".

Eles afirmam ainda que "a evolução da Medicina no Estado, fomentado por ações do Governo do Estado do Acre, com criação de Programas de Residência Médica, Curso de Medicina Federal, oferecendo qualificação docente através de Cursos de Mestrado e Doutorado na localidade, reformando, ampliando e modernizando os campos de práticas existentes para credenciamento como hospital universitário, representam os maiores avanços dos últimos anos".

A FUNDHACRE, é uma instituição pública estadual de nível terciário responsável pela realização de intervenções cirúrgicas de grande porte e procedimentos de alta complexidade, referência para todo o Estado e regiões fronteiriças. Em 2002, com o início do Curso de Medicina da UFAC, tornou-se hospital auxiliar de ensino.

No momento encontra-se em fase final de processo de reforma, modernização e ampliação para atender as exigências para credenciamento como hospital universitário com capacidade para 232 leitos. Dispõe de Centro de Nefrologia com hemodiálise, centro cirúrgico com oito salas, Serviço de Terapia Nutricional Enteral e Parenteral, Hospital do Idoso e mais recentemente Hospital do Câncer (CACON).

A UTI da instituição foi reformada, reequipada e ampliada para 10 leitos. Atualmente, o Estado conta com três UTIs, todas localizadas na capital. Além da FUNDHACRE, existe uma unidade com 10 leitos, inaugurada em 2004, no HUERB (Pronto Socorro) e uma unidade em um hospital particular com 5 leitos.Clique aqui para ler a pesquisa na íntegra.

Postagem original no site Ambiente Acreano. Clique aqui

Marcadores: ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

FOTOS PITTER LUCENA