PITTER LUCENA

Jornalista acreano radicado em Brasília

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil
PageRank

sábado, junho 21, 2008

NILDA, QUASE NUA

Durante muito tempo, quando era criança, ouvia uma voz na rádio Difusora Acreana que me chamava atenção. Essa voz mandava mensagens e tocava músicas que embalava o coração. Meu pai sempre colocava no programa dela para ouvir mensagens e notícias do mundo que desconhecia. Com o tempo, já adolescente, fui me acostumando com essa voz do rádio. Com uma intenção: um dia conhecê-la.

Passando o tempo, não muito tempo, em 1982, tive o prazer de conhecer a dona daquela voz que encantava os ouvintes dos seringais, colônias e ribeirinhos. Era Nilda Dantas, que além da voz, uma mulher dotada de muita fibra, poesia, guerreira e amiga para todas as horas e problemas.

Lembro que à época, 80, conheci homens que dariam tudo para conhecer a dona daquela voz. Não só pela voz, mas pela qualidade das palavras de segurança que saiam dela. Durante anos, Nilda vem sendo uma dessas vozes que despertou e, desperta, o imaginário de milhares de ouvintes acreanos.

Deixando o rádio de lado, Nilda Dantas, além de um ser mulher é uma poetisa de primeira grandeza, na sua forma sensível de ser. Ao lançar Quase Nua, em 2000, desnudou-se por completo revelando sua nudez poética em sentimentos. Nas páginas que escreveu mostra uma Nilda que não é só voz, mas, uma fêmea em louca explosão de desejos intensos e contraditórios.

Para Nilda, ser mulher não é simplesmente parir, ser Amélia. É ser amiga, amante, companheira. Ser mulher, mesmo com erros, pecados e cicatrizes ser chamada de anjo. Para ela, estando na maturidade ou na juventude de espírito expelida pelos poros, todas são mulheres.

Ser mulher para Nilda é anular preconceitos, liberar instintos selvagens de fêmea e se fazer amada, não importando ser plebéia aos olhos de alguém. Ser princesa é o que importa, mesmo sem poderes e seguidores, o importante é ser deusa.

A poetisa da voz apaixonada deixa claro que para ser mulher a beleza física não importa. É preciso ter algo assim como a elegância de uma gazela, a sensualidade de uma potranca e a ousadia de uma loba.

Nilda foi testemunha de brigas, confidências e gemidos. Foi esconderijo de crianças e encosto dos cansados. Ela resistiu ser usada por homens, meninos e cães. Além de perder o fruto do viço sempre permaneceu fértil. Envelhecer não é nada, o importante é ter vida. A voz ainda grita e o coração pulsa.

Numa de suas poesias ela disse que uma lágrima vai rolar e a lembrança de mansinho despertar. Para não chorar por ela alguém que vai chorar. E no final ela se rende ao rei contra sua vontade, mas no final, no final mesmo, ele será dominado. A voz, o amor e o sentimento de Nilda continuarão a despertar ilusões pelo mundo afora. A voz e o coração gritam hoje e para sempre.

Marcadores: , ,

2 Comments:

Blogger nilda said...

Caro amigo, estou escandalosamente feliz por merecer tão bela matéria, na sua página, e mais ainda da comparação que você faz da Nilda "Mulher"com as poesias da outra Nilda, afinal ser "muitas" é uma arte.Aguarde as próximas poesias...quando setembro chegar você conhecerá as inéditas do DEVÓRA - ME.Sucesso!

5:24 PM  
Blogger Pietra Dolamita said...

Caro Jornalista,
É tãi difícil encontra a docura e arte nesta cidade concreto...
Mas, sinceramente dizendo, quero Parabenizar pela belíssima sensibilidade que tens em relação a nossa amada Nilda Dantas. Tu simplesmente utilizou-se das melhores metáforas da lingua para descrever a voz humana e mulher que é essa Poeta do Norte.
Att.
Pietra Dolamita

8:48 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

FOTOS PITTER LUCENA