PITTER LUCENA

Jornalista acreano radicado em Brasília

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil
PageRank

terça-feira, janeiro 29, 2008

AÇÕES VIRTUAIS DE LULA NA AMAZÔNIA

João Capiberibe

O desmatamento disparou na Amazônia entre agosto e dezembro de 2007. O sistema DETER - Detecção do Desmatamento em Tempo Real, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)- informa que o desmatamento pode chegar a sete mil quilômetros quadrados nos últimos cinco meses do ano passado.

O presidente Lula, assustado, convocou uma reunião de emergência com os ministros Marina Silva (Meio Ambiente), Dilma Rousseff (Casa Civil), Reinhold Stephanes (Agricultura), Tarso Genro (Justiça), Nelson Jobim (Defesa) e Guilherme Cassel (Desenvolvimento Agrário), além do diretor-geral da Polícia Federal.

Após cinco anos e 24 dias de governo, Lula continua tratando a Amazônia em reuniões de emergência.

A falta de sensibilidade de Lula com as questões ambientais e, em particular, com a Amazônia, vem de longe. Tanto, que militantes e simpatizantes do PT preocupados com políticas para a área estimularam a organização de fóruns de debates específicos sobre esses temas bem antes da vitória de 2002.

Em 2000, em Belém, aconteceu o 1º Fórum Amazônico. Lula não compareceu, deixando seus organizadores frustrados e ainda mais preocupados com a falta de atenção demonstrada por ele.

Em novembro de 2001, em Macapá, foi realizado o segundo e último fórum de discussão sobre alternativas de desenvolvimento sócio-ambiental para a região. Eu estava concluindo o segundo mandato de governador, cujo programa, fundamentado no do desenvolvimento sustentável, transformara-se em vitrine de projetos inovadores e bem sucedidos.

Lula compareceu. Ouviu atentamente e participou das plenárias e debates. Suas intervenções encheram de esperança a platéia. Saímos eufóricos do encontro, convictos que a Amazônia de nossos sonhos e lutas se realizaria com Lula na presidência do Brasil.

No dia seguinte, na companhia do então governador do Acre, Jorge Viana, de Vicente Trevas, da direção nacional do PT, e Lourival Freitas, do diretório estadual, levamos Lula a Laranjal do Jarí, uma enorme favela sob palafitas. Dívida social inconteste de um mega-projeto do multimilionário americano Daniel Ludwig.

Em seguida, rumamos até a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru, onde visitamos a fábrica de biscoitos e óleo de castanha do Brasil, resultado da iniciativa e força de vontade de uma cooperativa de castanheiros com o apoio do governo do Amapá.

Lula pode assim testemunhar, as possibilidades de um modelo de desenvolvimento capaz de combinar atividade econômica com eqüidade social e conservação ambiental.

No retorno, Lula falou do que viu e ouviu dos castanheiros. Fez comentários otimistas, falando do futuro da Amazônia sustentável e da participação no governo de quadros com a visão e experiência na construção do novo paradigma, caso se elegesse presidente.

Os castanheiros do Iratapuru e de toda a região sul do Amapá comemoraram a eleição de Lula. Afinal, tinham um presidente que sabia o que era um castanhal, também festejaram nossa eleição para o Senado. Consideravam-me uma voz confiável junto ao presidente. Não esqueciam o dia em que chegamos juntos para visitá-los.

Poucos meses depois da posse, em Rio Branco, com pompa e circunstância, Lula lançou o Programa Amazônia Sustentável (PAS). O documento, mesmo sem que tivéssemos sido convidados a contribuir, preenchia o vazio da falta de políticas públicas para a Amazônia. Saí da solenidade convencido de que daríamos uma demonstração ao mundo, de competência para desenvolver e conservar a Amazônia.

Depois daquela solenidade, nunca mais se ouviu falar do PAS e a Amazônia continua detentora da maior biodiversidade do mundo, de 20% da água doce do planeta, mas condenada a destruição pelo avanço dos madeireiros, da soja, do boi, da transformação de essências em carvão vegetal para produção de ferro e agora da cana-de-açúcar. Atividades que contam com todo tipo de incentivos públicos, da pesquisa ao financiamento subsidiado.

Enquanto isso, os castanheiros do Iratapuru e da região sul do Amapá, que festejaram a eleição do presidente operário, perderam o apoio dos governos federal e estadual. Relegados pelo poder público, sobrevivem graças às parcerias com indústrias comprometidas com a conservação ambiental e responsabilidade social.

Ancorado na repressão aos crimes ambientais, o governo anuncia, depois de mais uma reunião de emergência, que a lei vai ser cumprida com rigor, doa a quem doer. Ora! Em um país que não consegue fazer cumprir as leis nas cidades, onde o crime organizado divide o poder com o estado, como acreditar que agora o governo vai ter braços para chegar aos criminosos que agem na floresta com a conivência de políticos que compõem a base de sustentação do governo Lula.

Para concluir, repito o que digo desde o assassinato de Chico Mendes: enquanto não se estabelecer em nossa sociedade uma nova relação homem-natureza, que fundamente as políticas públicas para a Amazônia, de nada vai adiantar reuniões de emergência ou ações virtuais para apagar incêndios de verdade. A Amazônia vai continuar ardendo e nós brasileiros vamos continuar sendo conhecidos como predadores diante dos olhos do mundo.

João Capiberibe - ex-prefeito, ex-governador, ex-senador pelo Amapá. Atualmente vice-presidente nacional do PSB

Leia mais no blog do Altino Machado

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

FOTOS PITTER LUCENA