PITTER LUCENA

Jornalista acreano radicado em Brasília

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil
PageRank

terça-feira, outubro 21, 2008

CASABLANCA

Durante a Segunda Guerra Mundial, o americano Rick Blaine dirige o Café mais famoso de Casablanca, no Marrocos. Lá, ele mantém uma relação difícil com o Chefe de Polícia local, o capitão Louis Renault, e usa seu café-bar para ajudar fugitivos do nazismo que tentam obter documentos para chegarem à Lisboa e, de lá, embarcarem para os Estados Unidos.

Anos antes, quando ainda se encontrava em Paris, Rick conheceu o grande amor de sua vida, na pessoa de Ilsa Lund, uma lindíssima mulher. Os dois se apaixonaram perdidamente e viveram uma grande e inesquecível paixão. Entretanto, quando os alemães marcharam contra Paris e Rick se viu obrigado a deixar a Europa, ela decidiu não acompanhá-lo, preferindo continuar a viver na França.

Certo dia, em seu apartamento localizado no 1º andar de seu Café, Rick é informado pelo Capitão Renault de que o Major Strasser, do Terceiro Reich, será um importante convidado daquela noite. As duas principais razões que o levarão ao Café são a tentativa de prender Guillermo Ugarte, considerado responsável pela morte de dois alemães e a iminente chegada à Casablanca de um famoso líder da resistência tcheca, Victor Laszlo, que acabara de fugir de um campo de concentração nazista e que, com certeza, irá tentar comprar um visa de saída do País.

Victor Laszlo é agora casado com a bela Ilsa Lund, de modo que, ela irá precisar de auxílio para que ele possa seguir para um local seguro. Sua única esperança de fuga estará nas mãos de Rick Blaine, seu antigo amante, através do seu esquema de obtenção de documentos que permitem aos interessados deixarem o norte da África com destino à Lisboa.

A chegada do Major Strasser interrompe a conversa entre o Capitão Renault e Rick. Carl, o gerente do Café, oferece ao oficial da Gestapo uma das melhores mesas, enquanto Renault apresenta Strasser aos prazeres da casa: vinho francês e caviar russo.

Na sala de jogos, Ugarte é preso por policiais franceses. Enquanto isso, Rick é apresentado ao Major Strasser pelo Capitão Renault. Strasser informalmente interroga Rick sobre sua opinião a respeito do potencial da máquina militar alemã, mas Rick se mantém sabiamente neutro. Strasser diz que seu principal objetivo em Casablanca é encontrar seguidores da Resistência, inclusive líderes como Victor Laszlo. Durante o interrogatório informal, Rick não expressa o menor interesse em ajudar pessoalmente qualquer que seja o refugiado. Strasser descreve como Laszlo se tornou um inimigo do Reich, enquanto Rick reafirma sua absoluta neutralidade política em relação à guerra. Rick pede licença e se retira da mesa.

Instantes depois, Victor Laszlo e sua encantadora mulher Ilsa chegam ao salão de jogos do Café, onde são levados até a mesa que haviam reservado. Ao atravessarem o salão, ela e Sam, o pianista da casa, aparentam se conhecer. Ele começa a tocar "Love for sale". Ela está vestindo um elegante vestido branco. Ao sentarem-se, Laszlo diz que está à procura de Ugarte. Visivelmente nervosa, ela lhe diz que, de alguma forma, sente que não deveriam estar ali.

O Capitão Renault aproxima-se da mesa e ela aproveita a ocasião para perguntar-lhe sobre o pianista. Renault lhe diz que ele veio de Paris com Rick, o proprietário do Café. Ela ainda lhe pergunta quem é Rick, já que em Paris ele era conhecido por Richard.

Quando o Major Strasser se aproxima, Laszlo se recusa a se levantar e a oferecer um lugar em sua mesa. Os dois se agridem verbalmente e Laszlo diz que se acha em solo francês. Mesmo assim, Strasser lhe diz que ele e a mulher deverão comparecer no dia seguinte aos escritórios do Capitão Renault. Os dois ficam apavorados. Para completar, enquanto tomam um cocktail de champanhe, são avisados por Berger que o responsável pelo fornecimento dos visas de saída, Ugarte, acaba de ser preso pela polícia francesa.

Quando Laszlo se retira, Ilsa manda chamar Sam e lhe pede notícias de Rick e que ele toque algumas das velhas canções. Nervosamente, Sam toca "Avalon", uma música que não está entre as velhas canções que ela gostaria de ouvir. Fiel e dedicado a Rick, o pianista sabe que ela lhe poderá trazer-lhe muitas dores de cabeça. Ela não desiste: "Em consideração aos velhos tempos, toque uma única vez, toque 'As time goes by". Sam, finalmente, não resiste aos seus insistentes apelos e toca a bela canção, enquanto lágrimas rolam dos olhos dela.

À medida que Sam toca e canta, ela se vê inundada de queridas e nostálgicas lembranças e sente medo de suas próprias reações diante da possibilidade de se reencontrar com Rick. Enquanto isso, ao ouvir Sam tocar e cantar a canção "proibida", Rick, completamente perturbado, entra no salão disposto a castigar o amigo por estar a tocar uma canção que o faz recordar os velhos tempos de Paris.

Ao se deparar com Ilsa, ele fica estarrecido, atônito. Eles trocam um longo e perturbador olhar depois de muitos anos. Sam rapidamente larga o piano. Logo depois, o Capitão Renault e Laszlo voltam do Bar. Rick esconde seus sentimentos quando de sua apresentação à Ilsa, tratando-a como a uma estranha. Ilsa interrompe a formalidade de Renault e pessoalmente apresenta Laszlo a Rick. Para surpresa de Renault, Rick junta-se ao grupo para um drink e aproveita a ocasião para parabenizar Laszlo pelo seu trabalho na Resistência. Como já é tarde, Laszlo e Ilsa decidem ir embora. Já na rua, enquanto se dirigem para um táxi, ele comenta: "Esse Rick é um cara enigmático", ao que ela lhe responde, sempre olhando para a frente: "Eu realmente não posso opinar, embora o tenha visto várias vezes em Paris".

Naquela noite, depois de fechar o Café, Rick se desespera ao pensar em Ilsa, ao mesmo tempo em que enfia a cara na bebida e no cigarro. Sam o aconselha a ir para a cama. Ele retruca afirmando que ela vai voltar e se recusa a sair dali. Desesperado com as dolorosas lembranças do passado, Rick ordena a Sam tocar para ele "As time goes by". Ele ainda está apaixonado, embora sofrendo a rejeição por ela o ter abandonado em Paris sem qualquer explicação.

Ao final dessas reminiscências, a câmera mostra um Rick abatido e bêbado sentado numa mesa do Café e batendo no seu copo de bourbon. De repente, a porta do Café fechado abre-se e surge Ilsa, realçada por um feixe de luz, vestindo um casaco branco e um cachecol. Como ele esperava, ela veio até o Café, mas só aumentou seu ressentimento ao dizer-lhe que não teria viajado até Casablanca se soubesse que ele estava vivendo nessa cidade. Ela se aproxima numa tentativa de falar com ele, mas ele se recusa a ouvir suas explicações. Mesmo assim e com lágrimas nos olhos, ela insiste em falar de seu passado quando, ainda jovem em Paris e recém-chegada de sua cidade, Oslo, conheceu um homem fabuloso que lhe abriu um mundo de conhecimentos e ideais. Enfurecido, Rick não permite que ela continue. Ilsa, com uma lágrima correndo pela face, não diz mais uma palavra e sai deixando Rick arrasado sobre a mesa.

Na manhã seguinte, no escritório do Capitão Renault, o Major Strasser tenta intimidar o casal, alegando que a única forma deles conseguirem sair de Casablanca é se Laszlo dedurar os nomes de todos os líderes da Resistência em atividade na Europa. Laszlo o encara e diz: "Se eu não delatei meus companheiros quando me encontrava preso num Campo de Concentração, onde vocês usavam métodos mais persuasivos, não é aqui que vou fazê-lo".

Rick encontra Ilsa fazendo compras num Bazar e tenta se desculpar pela noite anterior, mas ela friamente rejeita suas explicações. Embora ele se ache sóbrio, ela vê quanto ele mudou e lhe diz: "O Rick que conheci em Paris era um outro. Estarei brevemente deixando Casablanca e espero que nunca mais nos voltemos a nos encontrar. Agindo assim, talvez nós nos lembremos apenas dos dias felizes vividos em Paris e não desses passados em Casablanca". Mesmo assim, ele lhe diz que a estará aguardando em seu apartamento. Ele espera que ela minta para Laszlo como mentira no passado para ele. Ela, então, lhe revela que quando eles foram amantes em Paris, Laszlo já era seu marido, na época preso. Bruscamente, Ilsa se afasta do local, deixando um Rick subjugado, aturdido e emudecido.

Ilsa e Laszlo chegam ao Café de Rick em sua segunda noite em Casablanca. Ilsa veste um lindo vestido preto. Rick os cumprimenta e observa que Sam está tocando as velhas músicas dos bons tempos. Ela pede uma mesa próxima ao piano. Rick pede a Sam que toque a música preferida de Ilsa: "As time goes by".

Depois de ter tentado conseguir, sem sucesso, os visas de saída com o Signor Ferrari, um dos líderes das atividades clandestinas em Casablanca, Laszlo oferece 100.000 FF a Rick pelos referidos visas. Como este não aceita a oferta, Laszlo contrapropõe com uma nova oferta de 200.000 FF, sendo mais uma vez rejeitada por Rick. Laszlo, então, lhe pergunta: "Há alguma razão especial para que você não me ceda esses dois visas?". Ao que Rick lhe responde: "Há, sim. Sugiro-lhe que pergunte à sua esposa".

De volta ao hotel, Laszlo pergunta à sua mulher se ela tem alguma coisa a lhe dizer sobre os seus encontros com Rick, em Paris. Ela lhe diz que não tem nada a falar e ele lhe diz que acredita nela.

Quando Laszlo sai para uma reunião com um grupo da Resistência local, Ilsa decide procurar Rick em seu apartamento com o fim de tentar convencê-lo a fornecer os visas de saída. Ao vê-la, Rick lhe diz que espera que sua presença nada tenha a ver com as cartas de trânsito. Ela insiste que as cartas de trânsito são sua única esperança de não ter Laszlo morto em Casablanca, e lhe diz que pode pedir o preço que quiser (disposta, inclusive a dar o seu corpo como parte do pagamento). Mais uma vez, ele nega qualquer tipo de ajuda. Ela, então, o chama de um fraco, de um covarde, que só pensa agora em se vingar. Quando ele se vira para acender um cigarro, ela saca uma arma e, tremendo, o ameaça e exige que as cartas de trânsito sejam colocadas sobre a mesa. Ele se nega mais uma vez e diz que o melhor que ela tem a fazer é puxar o gatilho e acabar com tudo de uma vez.

Ela percebe, finalmente, como ele ficou machucado ao ser por ela abandonado em Paris. Diante de tal constatação, ela baixa a arma e, caminhando em direção à janela com os olhos cheios d'água, termina caindo em seus braços, sucumbindo ao seu poderoso e admirável amor. Ela admite que se entregou totalmente em Paris e que sofreu muito com a separação, bem como, percebe que nunca deixou de amá-lo e termina suas palavras apaixonadas com um autêntico beijo.

Depois de ouvir as declarações dela, Rick lhe pergunta sobre o presente. Completamente entregue a ele, ela lhe responde que fará o que ele quiser e que irá para onde ele for. A única coisa que pede é que ele consiga uma carta de trânsito que permita Laszlo partir em segurança. Terminando, ela lhe diz: "Eu não posso mais lutar. Eu fugi de você uma vez e não posso fazê-lo de novo. Eu já não sei mais o que é certo. Você vai ter que passar a pensar por nós dois".

Carl chega ao Café, que se encontra às escuras, trazendo Laszlo ferido por policiais franceses, quando de uma batida ao local da reunião do grupo da Resistência. Imediatamente, Rick pede que Carl acompanhe Ilsa até o hotel, saindo por uma porta lateral. Rick junta-se, então, a Laszlo e lhe oferece um drink enquanto inicia uma conversa para ganhar tempo. Sem demonstrar nenhuma mágoa ou vingança, Laszlo diz que sabe que os dois amam a mesma mulher: "Sei que você não vai me fornecer as cartas de trânsito. Tudo bem. Mas eu lhe peço que consiga apenas uma que permita a saída em segurança de Ilsa".

Momentos depois, policiais franceses, possivelmente instigados por Strasser, chegam ao Café e levam Laszlo preso. Na manhã seguinte, 04/12/1941, Rick vai à Polícia tentar fazer com que o Capitão Renault solte Laszlo. Rick revela que tem certeza do amor de Ilsa e que pretende usar as cartas de trânsito para viajar com ela para Lisboa sem a interferência da Gestapo ou da polícia.

Rick sugere a Renault soltar Laszlo uma hora e meia antes da partida do avião para Lisboa. Laszlo seria, então, atraído até o Café de Rick onde seria novamente preso tão logo pusesse as mãos nas cartas de trânsito roubadas. Renault acha a idéia ótima porque: (1) ele teria as cartas de trânsito de volta, (2) seria elogiado pelo Major Strasser, e (3) ganharia 10.000 FF de uma aposta feita com Rick.

No Blue Parrot, Rick acerta a venda do seu Café para o Signor Ferrari.

No seu Café, Rick manuseia as cartas de trânsito quando Renault chega. Logo em seguida, chegam Laszlo e Ilsa. Enquanto ele paga o táxi, Ilsa entra e diz a Rick que seu marido está pensando que irá viajar com ela. Rick lhe responde que o melhor momento para lhe dizer toda a verdade é quando já se acharem no aeroporto. Laszlo entra no Café e agradece a Rick por todo o esforço que ele tem feito para ajudá-lo.

Tão logo Rick passa as cartas de trânsito para Laszlo preenchê-las com os nomes dos que vão viajar, Renault chega e dá ordem de prisão a Laszlo. Horrorizada, Ilsa, que se achava ao lado de Rick, passa imediatamente para o lado do marido. Rick percebe, então, que ela pertence definitivamente a Laszlo e que os dois devem partir juntos.

Com uma arma disfarçadamente apontada para Renault, Rick diz que ninguém vai ser preso, pelo menos por enquanto, e força Renault a telefonar para o Aeroporto para avisar que dois passageiros estarão embarcando para Lisboa com suas cartas de trânsito. Entretanto, sem que Rick saiba, ele telefona para o Major Strasser e o avisa sobre a fuga.

No hangar do aeroporto, o avião está preparado para partir em dez minutos. Rick, Renault, Laszlo e Ilsa chegam ao local em um carro do governo. Rick ordena a Renault que envie um ordenança levar a bagagem de Laszlo até o avião. Laszlo o acompanha. Em seguida, Rick ordena que ele preencha as duas cartas de trânsito com os nomes do Sr. e da Sra. Victor Laszlo.

Desnorteada, Ilsa protesta contra as mudanças de planos de Rick e insiste para que os dois terminem juntos. Rick tenta convencê-la de que esta é a melhor solução para eles e que o trabalho de Laszlo é muito importante para ser interrompido. Mesmo assim, ela não se convence nem se conforma em ter que se separar de Rick. Quando Laszlo retorna, informa que tudo já está arranjado. Ele se despede de Rick afirmando que Rick agora um novo membro da Resistência Pan-Européia. Ao lado do marido, Ilsa lança um último olhar para Rick e lhe diz adeus.

À medida em que o casal se dirige para o avião, uma lágrima desce do olho dela. Laszlo nota sua expressão entorpecida. O Capitão Renault vira-se para Rick e lhe informa que vai ter que o prender, ao que Rick responde: "Tão logo o avião decole...".

Nesse momento, o Major Strasser irrompe no hangar onde toma conhecimento que Victor Laszlo encontra-se no avião. Strasser tenta se comunicar com a torre de comando, mas Rick, armado, ordena-lhe que desista. Entretanto, com a outra mão, ele consegue sacar uma outra arma e atira em Rick que, em auto-defesa, atira e mata Strasser.

Segue-se um momento de silêncio e tensão. Como não há testemunhas, o Capitão faz vista grossa para o crime de Rick e decide não prendê-lo. Assim, debaixo de um intenso nevoeiro, eles observam o avião partir em direção à Lisboa.

O Capitão Renault diz, então, a Rick que seria de bom alvitre que ele desaparecesse por uns tempos de Casablanca e lhe sugere Brazzaville na África Equatorial Francesa. Os dois saem discutindo o que fazer com os 10.000 FF da aposta que haviam feito se Laszlo conseguiria ou não sair vivo de Casablanca. Finalmente, Rick diz para Renault:

- "Louis, acho que este é o começo de uma bela amizade!"

"Casablanca" é, sem dúvida, o maior filme de todos os tempos, seguido por "Cidadão Kane" e "...E o Vento Levou". A fórmula de "Casablanca" é magnífica e começa por um roteiro perfeito, irretocável, contendo todos os elementos do cinema clássico, um formidável leque de personagens, em torno dos quais gira uma mistura de política, paixão, romance, guerra, heroísmo, mistério e intriga. Por outro lado, apresenta um excelente sentido de tempo e lugar. Poucos filmes são tão bem conectados ao tempo em que foram produzidos como este. Rodado em plena 2ª Guerra Mundial, numa época em que ninguém tinha a menor idéia de quem seriam os vencedores, o filme é o grande marco da Idade de Ouro do cinema americano.

A direção de Michael Curtiz é consistentemente segura e consegue prender a atenção da platéia até o seu final. "Casablanca" apresenta, ainda, um ótimo design de produção, uma belíssima fotografia em preto-e-branco e uma fabulosa trilha sonora. Quem não conhece a canção "As Time Goes By", gravada pela maioria dos grandes cantores e músicos americanos?

O elenco é um outro ponto forte do filme. Humphrey Bogart, uma das lendas de Hollywood, tem o maior papel de sua carreira, como o cínico, inescrupuloso, mas também nobre e generoso Rick. Com a bela e talentosa Ingrid Bergman, consegue manter uma química inesquecível. Os atores coadjuvantes também oferecem uma magnífica contribuição para o sucesso do filme, com as ótimas atuações de Claude Rains, Conrad Veidt, Paul Henreid, Peter Lorre, Sydney Greenstreet, S. Z. Sakall, além da marcante participação de Dooley Wilson.

Marcadores: ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

FOTOS PITTER LUCENA